Beira Mar Koerich Office

Av. Mauro Ramos, 1970 - Centro, Florianópolis - SC,

contato@belmattos.com

Passou rápido?

August 23, 2016

 

Eu trabalho dentro de uma clínica médica há muitos anos e quando estou envolvida com rotinas administrativas, gosto de deixar a porta da minha sala aberta para manter um certo contato com o que acontece na recepção da clínica. 

Já faz algum tempo, estacionou em frente a minha sala um senhor numa cadeira de rodas cuidadosamente manobrada por sua filha, que demonstrava um sentimento de alegria e orgulho por estar ali com o seu pai.

Como estavam bem em frente à minha porta, os cumprimentei e enquanto eles conversavam observei que os dois admiravam juntos as fotos da comemoração do aniversário do centenário do pai. Tive a oportunidade de ver a felicidade da filha e do pai registrada num sorriso aberto em uma das fotos, uma dessas fotos raras hoje em dia, sem pose, sem filtro, sem maquiagem. Uma foto que documentava para sempre o carinho entre eles.

Os dois conversavam e se ouviam com interesse, com a sabedoria de quem sabe que se deve aproveitar cada minuto que tiverem um ao lado do outro. Era muito nítido o orgulho da filha com a idade e a integridade mental do pai.

Enquanto eles conversavam, um homem que estava na recepção se admirou ao ouvir que ele tinha 100 anos, e comentou: “ A nossa vida passa tão rápido!”, ouvindo isso a filha olhou para o pai e perguntou : Passou rápido pai?

Ele com a calma que só os mais sábios têm para olhar nos olhos e pensar na pergunta feita antes de responder, disse: “Não, não passou rápido, levou o tempo certo...”

E completou:

“A velhice traz a dor, da perda da mocidade, 

De uma tenho pavor,  da outra sinto saudade...”

Eu achei os versos tão bonitos que os anotei na minha agenda e fiquei pensando durante alguns dias sobre como a maneira que administramos o nosso tempo está relacionada com a nossa qualidade de vida. E que muitas vezes o medo que temos de envelhecer só existe porque temos medo de não ter vivido tudo que poderíamos viver na hora certa, simplesmente estando presente em cada momento.

Se aproveitarmos com verdade cada momento de nossas vidas, veremos que naturalmente as feridas se curam, as dores aliviam e algumas cicatrizes ficam... mas ficam para lembrar quem somos, do que somos feitos, ficam para mostrar a nossa capacidade infinita de recuperação!

Perceberemos que é bom vê-lo passar quando tivemos tempo de viver. Viver as alegrias, viver as tristezas, viver cada momento, sentindo a vida pulsar.

É... o tempo passa! Para quem vive correndo, ele passa rápido demais; para quem vive se arrastando, ele é um fardo pesado, para quem vive atrasado, ele passa batido. Mas para quem vive um dia de cada vez, ele passa no tempo certo! Como bem disse, na sabedoria dos seus 100 anos, o Sr. Jaime, um homem com quem eu não conversei, que nem sabe que eu existo, mas que me deu a oportunidade de aprender enquanto eu o observava, naquele momento mágico de amor com a sua filha.

Compartilhar no Facebook
Compartilhar no Twitter
Please reload